terça-feira, 8 de setembro de 2009

Porque você é evangélico?





Em um dia desses estava assistindo a um programa de televisão, onde o apresentador fazendo entrevistas a pessoas comuns perguntou a um jovem a sua religião e ele muito calmamente disse: - Sou evangélico! E o apresentador perguntou: Porque você é evangélico? O rapaz, falou sobre sua esposa ser evangélica, sobre começar a frequentar a igreja e a identificação com a religião, e finalizou com um "Estou onde deveria estar e estou bem com isso."

Eu na hora fixei meus olhos na entrevista e ansiosa esperei por sua resposta, porém, me frustrei com sua declaração, então me imaginei na mesma situação e tentei elaborar respostas, todas que imaginei fluíram como se eu estivesse em um púlpito dando um saudação pomposa, recheada de versículos bíblicos, referências históricas e tudo mais, quase uma pregação, mas, voltando a realidade, com certeza, se estivesse no lugar dele, acuada por cameras, me conhecendo bem, tomada por minha timidez daria uma resposta gaguejada e tão cautelosa quanto a dele, então, comecei a me questionar: Porque sou evangélica? E por incrível que pareça, eu não tinha uma resposta.

Percebi que minha resposta se perdeu em qualquer esquina da minha caminhada no evangelho e fiquei envergonhada, então, decidi me despir de meus conhecimentos e busquei no fundo do meu coração a resposta para essa questão e para isso, precisei refazer minha trajetória, me lembrar da história de minha família, da minha conversão, do momento exato em que decidi entregar minha vida a Cristo, o que senti? O que pensei? O que me levou a essa decisão que mudou a minha história?

Minha avó se converteu quando já tinha constituído família, era uma católica fervorosa, porém, se decepcionou com a religião escolhida e neste mesmo período participou de um culto e aceitou a Jesus, seus filhos, durante a infância, caminharam com ela, porém, na transição da adolescencia para a juventude saíram do interior e vieram tentar a vida aqui no Rio de Janeiro e consequentemente se afastaram da igreja, minha avó viu isso acontecer com um por um e permaneceu com fé orando, crendo no retorno de seus filhos para os caminhos do Senhor.

Com minha mãe não foi diferente, se afastou da igreja, veio para o Rio, aqui constituiu família, mas nunca perdeu o temor e sabia que uma hora teria que atender ao chamado de Deus, tínhamos um família evangélica como vizinhos e eu sempre percebi a diferença na vida deles e desejava ir pra igreja também, minha mãe nunca permitia, porém, quando teve uma festa na igreja, ela foi convidada a participar e levou eu e meus irmãos ao culto, eu tinha uns 4 a 5 anos e me lembro desse dia, a cada louvor entoado eu chorava, não choro de pirraça, mais sim aquele choro baixo e comovido, a festa era para comemorar um encontro de corais, então eu chorei praticamente o culto todo e consequentemente minha mãe brigou comigo durante todo trabalho.

Quando eu já tinha 11 anos, fui na igreja que minha tia frequentava e vi minha mãe aos prantos se reconciliar com Cristo, ela voltando e nós, seus três filhos conhecendo aquele mundo novo, e após algum tempo, já tendo se familiarizado com a mesma igreja que visitei quando era mais nova minha mãe se recordou do que contei acima, ela me disse: Você, chorava baixinho, quase como se estivesse sentida com algo, quando não havia louvores você parava, eu briguei com você, porque todos a volta perceberam isso e queriam te levar lá pra fora, eu não compreendi que o seu choro era provocado pelo toque do Espírito Santo, você já era escolhida por Deus, Ele já estava agindo em sua vida, mesmo comigo afastado da Casa de Deus!!

Me lembrando disso, a tão procurada resposta fluiu em meu coração, talvez você que está lendo esse texto, pense que é arrogância da minha parte me declarar "Escolhida por Deus", porém, Deus chama a todos, Ele tem toda a humanidade como seus filhos queridos, Ele pacientemente aguarda nosso retorno aos seus braços e não interfere nas nossas escolhas, hoje sei que Ele me chamou e eu decidi responder ao seu chamado. Hoje sei que sou evangélica não porque minha mãe o é, ou porque me sinto bem, ou por amizades mas sim porque sempre tive sede de Deus, em meu coração havia um vazio do tamanho D'Ele, meu coração ansiava por sua presença.

Antes para mim Deus era um Ser que se devia referência e respeito, que estava sempre muito ocupado para olhar pra mim e no inicio de minha conversão Ele me foi mostrado de outra maneira, conheci um Deus que se importa comigo, que esta comigo aonde quer que eu vá ou esteja, sinto sua presença como um amigo confiável que mesmo sem palavras me conforta, que me conhece desde antes de ser gerada e me aceita como sou, ao pensar sobre essas questões me vejo despertar de meu comodismo religioso.
"Tens perseverança, e por causa do meu nome sofreste, e não desfaleceste. Tenho, porém contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te de onde caíste! Arrepende-te, e pratica as primeiras obras..." Apocalipse 2:3;4;5a
Quantas pessoas não escutam ao chamado de Deus ou então estão acomodadas em sua opção religiosa e se esqueceram o motivo de suas conversões, o porque das suas escolhas, temos o privilégio de ser amados por Deus, seu grande amor foi demonstrado no sacrifício de Jesus na cruz pelos nossos pecados, permita-se ser alcançado por esse amor e veja como este ato pode mudar sua história, não corra o risco de dar uma resposta evasiva, seja para si mesmo ou a um apresentador de televisão.


Obs.: Escrevi esse texto em 30/04/2006.