domingo, 17 de novembro de 2013

"Ao seu lado"



Ao seu lado quero ficar, sem protelação, quero todos os anos, meses, semanas, dias, horas, minutos, segundos, será que estou sendo possessiva?

Ao seu lado quero ficar, em todos os momentos, bons ou ruins, quero segurar sempre suas mãos, com firmeza e suavidade, será que quero demais?

Ao seu lado quero ficar, quero ver seus cabelos ficarem grisalhos, quero ver sua pele enrugar, seu corpo se deteriorará,
mas, esse brilho que tem seus olhos,  sei que serão sempre os mesmos e eu quero vê-los sempre,
o que devo fazer?

Ao seu lado quero ficar, desejo isso com tanta intensidade
que sinto saudade dos momentos que ainda não vivemos,
sorrisos, resmungos, brigas, mordidas, beijos,
seja o que for, sinto tanta falta e quero estar lá,
será que estou enlouquecendo?

Ao seu lado quero ficar, é difícil entender isto?
Será que o que sinto será compreendido?
Será que é estranho essa vontade que me consome?
Não tenho respostas, o tempo está passando e em meu peito,
junto com as batidas do meu coração, essas palavras seguem
dançando alegres e indiferentes, alheias a tudo o que acontece a sua volta,

Ao seu lado, me deixe ficar...

Sobre meus lençóis e travesseiros...


Eu queria ser escritora, e escritora eu tento ser, porém não é tão simples assim, um aspirante a escritor galga degraus como qualquer outro no caminho do aprendizado e sei que devo começar humildemente escrevendo sobre as coisas próximas a mim, até hoje tenho escrito sobre minha cama, sobre meus lençóis e travesseiros, sobre cobertas e edredons, mais já tenho olhado para as quatro paredes do meu quarto e estou ensaiando frases sobre ele, mais não quero só isso, quero contar e descrever cada cômodo de minha casa e então depois escrever sobre minha casa por inteiro, depois de minha casa quero poder contar do meu quintal, e depois da minha rua, do meu bairro, da minha cidade, sobre outras cidades e enfim quero escrever sobre meu país.  Mais minha ambição não termina aí, quero contar sobre todos os países e ser capaz de escrever a nível mundial, mais tenho em mim esse sentimento de que o mundo não será suficiente então já me imagino transcendendo o mundo e escrevendo sobre a galáxias e sobre o infinito até onde minha mente conseguir compreender, eu quero me perder escrevendo.

Estou tentando e até então só tenho viajado nas asas de escritores que já saíram de suas casas a tempos e me instigam a me mover, eles gesticulam pra mim dizendo: Ande, saia daí, você também consegue! E eu suspiro filosofando sobre o abismo profundo que existe entre o querer e o ser, eu não consigo atravessar. Eu queria contar histórias fantásticas, prender a atenção, influenciar pensamentos e sentimentos, queria escrever versos doces e do amor falar, quero descrever a dor, a tristeza a ponto de fazer a quem me ler chorar comigo, queria poder descrever qualquer coisa e situação e de mãos dadas com as palavras poder viajar, para qualquer tempo, qualquer mundo, qualquer lugar, eu queria ser capaz de mostrar ao mundo como é o mundo que eu vejo, como o percebo, como meus sentimentos o filtram, eu quero domar as palavras e usá-las com maestria, mas, apesar de tanto querer e insistência, apesar de escrever e escrever e escrever, quando me sinto livre e penso que consegui me releio, e, me vejo cheia de cutão, estou no mesmo lugar sob os meus lençóis, imóvel, deitada entre os meus travesseiros.

sábado, 9 de novembro de 2013

No tempo...




O tempo não cura nada, porém, ele traz consigo todas as respostas. Nascemos,  dividimo-nos, crescemos, regeneramos, perdemos, cicatrizamos, estagnamos, morremos e nesse ciclo constante da vida, no corpo, na alma e no espírito estamos sempre mudando e tomando forma, ocorre no universo, no mundo e comigo. Nesse texto quero falar de quando somos feridos e esperamos que o tempo naturalmente cure a ferida, porém, hoje cheguei ao entendimento que as feridas por si só se cicatrização com o passar do tempo, assim como as células precisam apenas do tempo e nutrientes para se regenerar e se fazerem novas tendo muito e todo trabalho ocorre o mesmo conosco, o trabalho de renovo é todo nosso e o tempo contribui passando para nós prosseguirmos no nosso crescimento. Tenho visto muitas pessoas esperando o tempo resolver suas questões, pessoas aprisionadas as mesmas coisas e eu também já fui assim e esperei e as vezes hoje repito isso, e esse é um triste e caro engano pois nessa situação em especial esperar não traz e nunca trará uma solução, porque na verdade concluir uma página de nossa vida e decidir virá-la cabe apenas a você e a mim.


Respostas estão fluindo enquanto o tempo corre, elas brotam em cada ferida desinfetada e em cada novo curativo me movo e sigo em frente, passo a passo, em cada minuto, estou andando e desejo muito ser diferente do que fui ontem, estou pisando com segurança no caminho a mim destinado sem medo, algumas vezes não plenamente feliz mais a caminho da minha própria felicidade, hoje vivo o tempo de encerrar o meu luto, o luto por perdas dolorosas que consumiram bastante de mim. Eu chorei tudo o que tinha pra chorar, odiei, lamentei e esbravejei, briguei comigo e com os outros, eu também já voltei atrás e perdoei até o que não precisava ser perdoado e tenho esperado o perdão do mal que fiz aos outros e hoje é o dia de deixar o que morreu e acabou descansar em paz. Vivo o momento de desfazer das roupas, dos pertences, das lembranças, de colocar tudo em uma ou várias malas e doar a quem precise, chegou a minha hora de desocupar os espaços ocupados pelo passado para ocupá-los com as novidades do presente e a esperança no que quero construir para o meu futuro, é o tempo de esquecer, a vida seguiu e estou vendo que muitos estão vivendo, muitos menos eu que insisto em ficar esperando que toda dor se cicatrize com o tempo enquanto leio e releio a mesma página da minha vida que não tem mais espaço para novas frases e resignadamente encontrou seu o ponto final.