terça-feira, 18 de dezembro de 2012

A Vaca, o Passarinho e o Gato no inverno...


Uma vez um passarinho voava para o Sul para lá passar o Inverno.

Estava tanto frio, que o passarinho congelou e caiu no meio dum campo.

Enquanto ele jazia ali, imóvel, passou uma vaca e deixou-lhe cair em cima uma bosta.

O passarinho gelado, no meio do monte de estrume, começou a aperceber-se que estava a ficar mais quente. O estrume estava a aconchegá-lo! E ele ficou ali, quentinho e feliz, tão feliz que começou a cantar de alegria.

Um gato que passava ouviu cantar e foi investigar. Seguindo o som, o gato descobriu o passarinho debaixo do estrume, desenterrou-o, e comeu-o.

A moral desta História é:

1) Nem todos que te põem na merda te querem mal;

2) Nem todos os que te tiram da merda são teus amigos;

3) Quando estiveres enterrado na merda, mantém a boca fechada.


sábado, 3 de novembro de 2012

Lição: "O Amor"




Já li muitos textos de amor, alguns incrivelmente lindos e inesquecíveis, outros doces e fofos, alguns tristes e amargos e outros um tanto insossos e todos eles me inspiravam a escrever a minha visão sobre o amor, e eu sempre começava a redigir um texto, porém, nunca fui capaz de concluídos, minha visão sobre o amor sempre acabava largada em uma gaveta ou em uma pasta qualquer do meu computador.

Isso sempre me frustrou, não ser capaz de falar sobre o amor, de descrevê-lo, delineá-lo com os olhos do meu coração me machucava, com o passar do tempo isso começou a me incomodar, e eu cheguei ao ponto de acreditar que o amor não estava  no meu coração, cheguei a acreditar que o amor ainda não tinha me visitado, e eu, na minha imaginação fértil via meu coração como uma terra escaldante, árida, estéril, um coração deserto.

Por muito tempo essa foi a minha verdade ou mentira, não sei bem dizer,  eu desisti, desisti muitas vezes e de várias maneiras, desistir se tornou minha rotina, desistir de tentar, de acreditar, de esperar, de oferecê-lo, de recebê-lo, eu afirmava com os meus botões: o amor não existe, é algo inventando para ocupar nosso tempo! EU TE AMO! Não existia no meu vocabulário, quando falava com entes queridos era aquele JHEU KJTE PAMTO! Entende? Como se tivesse pedras na boca, saia pesado e grudento.

Então, Deus me mostrou que o amor existe, eu tive a mais bela experiência da minha vida e foi quando eu aceitei o amor de Deus por mim, juro, sou cristã a muito tempo e tinha dificuldades de compreender um Deus que enviou seu único filho pra salvar toda humanidade, compreender também um filho obediente que se entregou sem reservas e obedeceu ao plano de seu Pai sem discutir, ainda que fosse doloroso e difícil para ele, ele renunciou a sua vida e morreu pensando em todos, o sangue derramado foi para pessoas em todas as épocas, séculos, anos, a remissão dos pecados do passado, no presente e do futuro e tudo para que tivéssemos livre acesso ao Pai,  e eu estava incluída nesse plano, eu que ainda nem sonhava em existir, eu vivi, aceitei e fui preenchida pelo amor de Deus e UAU! Eu vi o meu deserto se tornar a mais incrível e fértil floresta, com águas e vida em abundância, fui transformada.

Enfim, a primeira lição que precisei aprender foi conhecer o amor, após conhecê-lo e aceitá-lo veio a segunda lição, e Deus usou os meus amigos, passei por algumas coisas chatas e tristes e aprendi a receber o amor de pessoas estranhas, que moram em lugares distantes, que me amam e me aceitam como eu sou, que não ligam sempre, me visitam quando dá, o que é quase nunca, mas, estão sempre por aí, e, eu sei, e só o saber me preenche, eles existem! Quando a angústia veio eu descobri meus irmãos e irmãs de alma, pessoas que se importam comigo sem pedir nada em troca, tantos gestos, tantas palavras, tantos abraços, choraram minha dor segurando minhas mãos e me olhando nos olhos, sentiram minha falta, só de me lembrar meus olhos enchem de lágrimas, e eu aprendi a ser amada.

E então, Deus em sua infinita sabedoria disse: Passemos para a próxima, ela conheceu e aceitou o amor, aprendeu a recebê-lo, agora vai aprender a dá-lo!!! Ahhhh, essa lição foi ainda mais dura, juro, eu pensei que não ia conseguir, amar alguém sem esperar por nada, tem noção? Cuspir as pedras e visgos e aprender a dizer: EU TE AMO! do fundo do coração e com toda verdade sabendo que poderia não ser recíproco? Nada de terreno seguro, rodeada por inconstância e dúvidas e eu, vivendo tudo isso e amando sinceramente! Foi difícil, mas, eu passei, ficaram muitas feridas, mas, aprendi o mais belo do amor: ele não vê defeitos, status, qualidades, o tempo, dinheiro ou bens, ele vê apenas a pessoa a quem é direcionado e aceita, envolve, deseja, se entrega, cuida, perdoa, renuncia e quando chegou o fim, do fundo da minha alma eu queria o bem e a felicidade do outro, hoje consigo olhar para trás e tenho orgulho, porque superei algo que era impossível para mim, pude ser eu mesma, abrir meu coração, entregar o meu melhor e sair sem arrependimentos, na minha derrota aprendi preciosas lições.

Hoje refletindo sobre tudo isso percebo o quanto estava enganada, o amor que eu via era o amor fantasioso e elaborado em filmes, revistas e livros, o amor idealizado por outras pessoas e assumidos como o certo,   o amor ensinado no mundo é cheio de falhas, inconsistente, fraco, substituível, o amor verdadeiro passa longe disso e eu estava perdida em um limbo, entre essas duas realidades, ainda bem, que eu quis conhecê-lo e ele se apresentou para mim, não serei hipócrita, o amor verdadeiro dói e muito, mas, não existe nada mais doce do que tê-lo no coração, afirmo que vale a pena pagar o preço.

E concluirei esse texto que fala da minha introdução no assunto com o mais belo texto já escrito sobre o amor, hoje eu sei, compreendo e sinto cada palavra, e acho, que Paulo escreveu esse texto quando se graduou na lição AMOR, eu ainda tenho um longo caminho pelo frente, ainda me falta muitas coisas e espero que daqui para frente, em cada prova que eu tiver, que eu relate com muita beleza e doçura o que hoje transborda no meu coração!

"Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.
Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas se não tiver amor, nada serei.
Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado, mas se não tiver amor, nada disso me valerá.
O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará.
Pois em parte conhecemos e em parte profetizamos;
quando, porém, vier o que é perfeito, o que é imperfeito desaparecerá.
Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino.
Agora, pois, vemos apenas um reflexo obscuro, como em espelho; mas, então, veremos face a face. Agora conheço em parte; então, conhecerei plenamente, da mesma forma como sou plenamente conhecido.
Assim, permanecem agora estes três: a fé, a esperança e o amor. O maior deles, porém, é o amor". 
Paulo - 1 Coríntios 13:1-13

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

"O Tempo"



Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu:
tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o
que se plantou,
tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir,
tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar,
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de
se conter,
tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de lançar fora,
tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar,
tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz.
O que ganha o trabalhador com todo o seu esforço?
Tenho visto o fardo que Deus impôs aos homens.
Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.
Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive.
Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus.
Sei que tudo o que Deus faz permanecerá para sempre; a isso nada se pode acrescentar, e disso nada se pode tirar. Deus assim faz para que os homens o temam.
Aquilo que é, já foi, e o que será já foi anteriormente; e Deus pede conta do que passou.


Rei Salomão - Eclesiastes 3:1-15


sábado, 13 de outubro de 2012

"O Sapo e o Escorpião"





Contam que um dia, um grande sapo estava à beira do rio, com o aspecto contemplativo que os sapos costumam ter e, de repente, aproximou-se um escorpião. Ciente de que aquele aracnídeo é famoso pelo poder de seu veneno e atos traiçoeiros, o sapo tratou de se afastar em fuga, mas o escorpião o tranquilizou:

“- Calma, amigo! Não precisa ter medo…”

“- Quem disse que tenho amigos como você??”

“- Sim… Compreendo… Todos falam mal de mim e têm medo porque acham que sou traiçoeiro e mato todas as criaturas com meu veneno! Mas, desta vez, não vou fazer mal a ninguém, porque preciso de um favor…”

“- Favor?? Que favor poderia eu fazer a uma criatura como você??” – perguntou o sapo, um tanto curioso.

“- Acontece que tenho negócios importantes e urgentes do outro lado do rio, mas, como o amigo sabe, não sei nadar e, portanto, preciso de alguém que me leve nas costas até a outra margem!”

O sapo não estava gostando nada daquela conversa, mas, de bom coração, perguntou:

“- Supondo que eu aceitasse levar você nas costas… Que garantia teria de que não vai me matar?”

E o aracnídeo:

“- Como eu lhe disse, são negócios importantes e tenho urgência de chegar lá, portanto, o amigo TEM A MINHA PALAVRA de que não lhe farei mal algum! Mais do que isto: serei tão grato que, se o amigo estiver em perigo, eu mesmo o protegerei!”

Ainda inseguro se estava fazendo a coisa certa ou não, o sapo aceitou. Chegou bem perto da água e, embora com muito medo, sentiu o escorpião subir em suas costas. Com muito cuidado, começou a travessia do rio, nadando na superfície da água.

Nem bem tinham chegado ao meio do rio, o sapo sentiu uma forte picada nas costas! Apavorado, gritou:

“- Está louco?? O que pensa que fez??? Ainda estamos longe da margem e, com o veneno poderoso se espalhando em meu corpo, NÓS DOIS vamos morrer! Você prometeu não me fazer mal algum!! Como pode fazer isso?”

E o escorpião, calmo e frio:

“- Sim… É verdade… Prometi! E realmente pretendia cumprir minha promessa, mas… É minha natureza de escorpião… É mais forte que eu…”

Logo em seguida os dois afundaram e foram arrastados pela correnteza do rio.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Soneto do Amor Total



Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.


Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.


Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.


E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes
-----------------------------------------------------------------

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

"Os viajantes e o urso"




Dois homens viajavam juntos através de uma densa floresta, quando, de repente, sem que nenhum deles esperasse, um enorme urso surgiu do meio da vegetação, à frente deles.

Um dos viajantes, de olho em sua própria segurança, não pensou duas vezes, correu e subiu numa árvore.

Ao outro, incapaz de enfrentar aquela enorme fera sozinho, restou deitar-se no chão e permanecer imóvel, fingindo-se de morto. Ele já escutara que um Urso, e outros animais, não tocam em corpos de mortos.

Isso pareceu ser verdadeiro, pois o Urso se aproximou dele, cheirou sua cabeça de cima para baixo, e então, aparentemente satisfeito e convencido que ele estava de fato morto, foi embora tranquilamente.

O homem que estava em cima árvore então desceu. Curioso com a cena que viu lá de cima, ele perguntou:

"Me pareceu que o Urso estava sussurrando alguma coisa em seu ouvido. Ele lhe disse algo?"

"Ele disse sim!" respondeu o outro, "Disse que não é nada sábio e sensato de minha parte, andar na companhia de um amigo, que no primeiro momento de aflição me deixa na mão!".

Moral da História:

"A crise é o melhor momento para nos revelar quem são os verdadeiros amigos."


Do livro: Fábulas de Esopo - Companhia das Letrinhas

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Ninguém nunca saberá...


Ninguém nunca saberá o que existe dentro do meu coração até que eu revele,
ninguém nunca saberá o que estou sentindo no íntimo da minha alma até que eu fale,
ninguém nunca saberá o tamanho de minha dor até que eu a delimilite,
ninguém nunca saberá a profundidade do meu amor até que eu mergulhe.

Ninguém nunca saberá até que eu saiba...

E eu e todos os outros esperamos, esperamos que saibam, esperamos
que adivinhem, esperamos que descubram, esperamos todos os dias que
alguém nos decifre apenas com um olhar, e assim inicia-se a fantasia e ilusão,
essa é uma das primeiras mentiras que lutamos para tornar em verdade.

Mas, ninguém nunca saberá até que eu e você saiba...

E então nossos corações são tomados, sem que a gente perceba, as trevas chegam de mansinho e se  acumulam e se expandem a cada mentira plantada, e quando vemos essa escuridão se tornou um imenso castelo que contém apenas calabouços, e conforme os dias passam esse lugar de trevas se torna o nosso refúgio e esconderijo, e seu chão úmido e frio se torna quente e agrádavel, suas paredes ásperas se tornam macias ao nosso toque.

Mas, ninguém nunca saberá até que se veja lá ...

Os caminhos mais espinhosos são aqueles trilhados nos nossos corações, as trevas mais densas são aquelas que habitam nos cantos do nosso ser e as piores mentiras são aquelas que contamos para nosso próprio eu dia após dia, traz alívio repetí-las como uma oração diária, e os cárceres mais cruéis são aqueles instalados no nosso interior e eles não possuem trancas, cadeados ou chaves.

Mas, ninguém nunca saberá até sair de lá...

Assim é, para que alguém saiba algo sobre nós, primeiro nós o temos que saber, mas, quem tem coragem de acender a luz e ver o que suas trevas escondem? Quem tem coragem de pisar em seus próprios espinhos? Quem tem coragem de assumir suas próprias mentiras? Quem se levantará e sairá do cárcere? Adquirimos muitas coisas na vida, porém, a coragem é algo que falta hoje, dá trabalho consegui-la...

Mas, ninguém nunca saberá até que alguém conte...

Mas, chegará o dia em que não poderemos fugir, teremos que lutar e enfrentar nossos próprios monstros e essa batalha será a mais terrível de todas, porém, quando esse dia chegar, eu não devo esquecer e nem você, não estamos sozinhos, existe alguém que sabe mesmo sem ninguém saber, que sabe sem que alguém conte, Ele sabe mesmo que nós mesmos não saibamos, e Ele está disposto a lutar conosco e por nós... sem pedir nada em troca, apenas por nos amar, e então, será que aceitaremos sua ajuda?

"Eu irei adiante de ti, e endireitarei os caminhos tortuosos; quebrarei as portas de bronze, e despedaçarei os ferrolhos de ferro.
Dar-te-ei os tesouros escondidos, e as riquezas encobertas, para que saibas que eu sou o SENHOR, o Deus de Israel, que te chama pelo teu nome." Isaías 45:2-3
"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32

Ninguém nunca saberá, mas, Deus sempre sabe...


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Saudades por Martha Medeiros



"...Saudade é não saber.
Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos,
 não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento,
não saber como frear as lágrimas diante de uma música,
não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche..."

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

"O abismo"


Você já esteve diante de um abismo? Se já sabe como dá medo ficar muito tempo parado lá, dá um frio na barriga, uma insegurança, você está no limite e sabe que um passo pode acabar com tudo, é uma sensação intensa e desafiadora. Muitos gostam dessa sensação e aceitam o desafio, a existência de alguns esportes a beira de lugares altos é a prova disso. O interessante é que o desafio diante de um abismo é igual para todos, o que muda de pessoa para pessoa é a maneira de encarar esse desafio,  como na foto acima, estar assim, na beirada tráz a tona toda sua fragilidade, incapacidade e força interior, somos posto a prova e a nossa reação e postura revela quem somos de verdade, diante do abismo, do desafio não existe máscaras e nem desculpas, é você e você.
E quando declaramos ter fé em Deus? Como nossa fé se manifesta diante do desafio do abismo? Como nossa fé se comporta quando nossa fragilidade, incapacidade e força interior são testados e pesados? Como nossa fé altera nosso comportamento? Como crer em algo ou alguém influencia em nossas atitudes e decisões? Eu estou respondendo esse questionário agora, estou diante do abismo e confesso que minha fé não esta destruindo o meu medo...
E então, agora que assumi o meu medo e sinto esse vento frio cortando minha pele, nesse lugar tão alto onde estou sozinha acompanhada apenas pelos ecos de minha voz, escuto uma voz suave que vem junto com esse vento, ela está dizendo: Aceite o desafio, não tenha medo, você confia em mim? Eu conheço essa voz e conheço muito bem, como poderia esquecer da voz do meu Senhor? Eu respondo: Estou com medo e Ele diz: Confia em mim! Eu repito: Pai estou com medo, se eu aceitar o desafio tudo se acabará! E Ele com uma voz ainda mais doce diz: Confia em mim! Aceite o desafio! Pule! Eu dou risadas nervosas e lágrimas escorrem pelo meu rosto, eu respondo: Pai eu te amo, sei que Tu me amas também, mas, estou medo, já prevejo o que me espera se eu pular! E Ele, agora sorrindo e com toda paciência repete: Confia em mim, Eu é que sei o que te espera, apenas pule!
E então, eu encho meus pulmões de ar, fecho os meus olhos e ... Pulo! Meu coração está muito acelerado, o medo esta devorando minhas entranhas, mas, eu acredito e confio, um Pai, quando desafia seu filho a se jogar é porque esta lá embaixo de braços abertos esperando para o segurar, e então eu dependo, não decido mais nada, não escolho mais nada, apenas espero o aconchego dos braços do meu Pai com um imenso sorriso no rosto e com o coração transbordando da mais doce paz...
Fui desafiada diante do abismo e todas as minhas defesas caíram, máscaras, argumentos, medo, dúvidas, todas essas coisas deixaram de existir dentro de mim, eu tinha que escolher, confiar ou recuar, ser corajosa ou covarde, ser mortal ou imortal, e engraçado, diante do abismo, a Kelly insegura e frágil deixou de existir e uma nova criatura nasceu, uma mulher que não anda pelo que vê, mas, anda por fé, que não olha para trás, mas, que com firmeza e convicção segue em frente, passo a passo rumo ao lugar onde Deus quer que eu esteja, Deus é íncrivel, somente Ele muda o nosso interior e nos faz nascer de novo. E você como se comporta diante do abismo? Aproveite o desafio e liberte-se, confie, Deus também está com você nesse lugar alto e isolado, o meu abismo agora é o quarto do hospital onde estou internada a 05 dias, a cada exame de sangue diário feito eu pulo, acredite, Ele está lá em embaixo te esperando para te dar o melhor e mais apertado dos abraços, nosso Pai tem braços fortes e firmes e sua mão sempre e para todo sempre está estendida para nós...

segunda-feira, 16 de julho de 2012

" A arte de perder"


“A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério
por muito que pareça (Escreve!) muito sério. ”

Elisabeth Bishop
 
* Ouvi a leitura desse poema em um filme e fiquei imensamente tocada, realmente "a arte de perder não é nenhum mistério", todos os dias perdemos coisas infímas e outras tantas grandiosas, algumas perdas passam despercebidas e outras tantas nos levam pedaços da alma e no final, sempre sobrevivemos, é incrivel, mas, nós sobrevivemos...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A descisão...

Todos em nós, em algum momento, nos vemos em um ponto dificil em nossa vida, e, quando essa hora chega somos forçados, impulsionados a tomar uma atitude, a fazer uma escolha e seguir nela, e não nos é dada a opção de hesitar e muito menos de olhar pra trás. E ainda que machuque, ainda que ao avançar os nossos pedaços fiquem pelo caminho, devemos prosseguir.
Quando essa hora chega ficamos cegos, surdos, sem voz, nos sobra apenas a  força motora que nos leva a colocar um pé na frente do outro e prosseguimos embalados pelo  frio causado pela dor da decisão, porém, após alguns passos, o ar se torna suavemente morno,  os olhos e ouvidos se abrem, você consegue falar e o alívio de seguir adiante abraça você, e nesse instante você se vê lúcido, consciente do que te falta e sabendo pra onde vai, avançando com firmeza na busca do que te tornará inteiro.

Não esqueça:

"Temos de nos tornar a mudança que queremos ver - Mahatma Gandhi"

By Kelly Casttro *.*

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Qual é o seu tesouro e onde você o tem guardado?

"Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.  Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.”
Mateus 6:19-21

Jesus percorrendo a Galileia e sendo seguido por uma grande multidão sentou-se em uma montanha e pôs-se a ensinar, falou sobre as bem aventuranças, orientou os discípulos, falou sobre a importância da lei, conversou sobre assassinatos, adultério, divórcio, juramentos, vingança, amor aos inimigos, práticas da justiça, ensinou ao povo a orar, a jejuar e chegou aos tesouros, citou essas palavras acima e consigo imaginar ele assentado e o povo bebendo cada palavra, eu realmente queria estar lá, e meditando nessa palavra fiquei curiosa sobre onde estava guardando meu coração e qual era o meu tesouro e iniciei assim a minha caça.

Enquanto seguia os passos de meu mapa fui analisando, não possuo bens e tenho algumas dívidas, se eu morrer hoje essa será a herança que deixarei para minha família; meus laços afetivos são importantes, mas a cada dia que passa tenho visto o quanto são frágeis; sou substituível nos relacionamentos, no emprego, na igreja e etc. Minha faculdade, cursos, experiências e conhecimento acumulado perecerão comigo e acabarão no túmulo, tudo se dissipará como fumaça quando eu morrer e processar isso me deu um certo pânico, não vou negar, abrir os olhos para a realidade é doloroso e eu, depois de degustar bem a amarga realidade pude dar mais um passo e encontrei a pista que precisava para continuar com a minha procura.

Ao percorrer os caminhos do meu coração e ao separar o ser do ter pude perceber e me dar conta de algo que sempre está no meu coração, algo que se tornou parte de mim, uma certeza, uma afirmação que não precisa ser mensurada ou provada, ela está firme como uma rocha, bem fundamentada, imutável, é se chama FÉ, a minha FÉ, a certeza de que não importa a tempestade, não importa se estou só ou acompanhada, se estudo ou se estou empregada, se tenho família e amigos, se sobra ou falta dinheiro, se estou saudável ou muito doente, seja qual for a circustância que eu esteja vivendo essa certeza permanece imóvel no meu coração de que Deus está sempre comigo e que eu não consigo viver sem Ele, realmente não tenho palavras para descrever o sentimento que preencheu a minha alma ao encontrar o meu "tesouro".

Fisicamente, quando ficamos mais velhos a nossa visão vai ficando fraca e espiritualmente acontece o contrário, conforme vamos amadurecendo os nossos olhos ficam mais aguçados, nosso alcance se expande, e por isso posso dizer que ainda que meus laços afetivos sejam frágeis, Deus tem cuidado de mim a todo tempo, tenho dívidas porém Deus tem honrado meu esforço e me abençoado no meu trabalho, todos os dias vejo a obra de minhas mãos crescerem e se multiplicarem, tenho problemas e aborrecimentos em todas as áreas da minha vida, tenho dúvidas, fraquejo, já entreguei os pontos e tiveram vezes que quase desisti, sou humana, já passei por momentos em que questionei a minha FÉ mais nunca cogitei negá-la, porém, ao passar pelo fogo, pelas águas, pelo silêncio e etc., aprendi que Deus não me livra DA provação, Deus me livra NA provação, eu me conheci e pude com isso conhecer a Deus.

E então? Qual é o seu tesouro e onde você o tem guardado? Atráves do estudo da Palavra pude iniciar a minha caça ao tesouro e pude encontrá-lo, eu precisava saber onde estava guardando o meu coração e pude descobrir que o meu tesouro não é perecível, ele é eterno e está bem guardado e depositado no céu, e você? Inicie também sua busca ao seu tesouro, siga os passos dos seu mapa e aprenda com isso a separar o perecível do que é eterno e caso o descubra e o veja guardado em um lugar onde traças, ferrugem e ladrões chegam, siga o conselho de Jesus e o guarde no melhor e mais seguro banco, deposite seu tesouro no banco do céu para que seu coração também esteja escondido lá, nas mãos desse Gerente íncrível que se chama Eu sou.