sexta-feira, 9 de outubro de 2009

"Dias de Chuva"


Eu amo dias de chuva, os amo tanto que por mais que faça frio o meu coração fica aquecido, como em um abraço carinhoso, me sinto extremamente confortável, a claridade acinzentada, os arrepios, as gotas escorrendo pela janela, o silêncio quebrado pelo som da água caindo... Ah! como gosto de contemplar essa paisagem pela minha janela, me sinto totalmente envolvida e tudo, qualquer detalhe para mim sempre é uma doce novidade.

Normalmente as pessoas não gostam de dias de chuva, ficam incomodadas e irritadas, o trânsito fica ruim, o ônibus lotado aborrece ainda mais, os pés ficam sempre frios, não sabemos o que fazer com guarda chuva molhado, carros espirram lama em quem der mole, e eu compreendo, porém, para mim, dias de chuva significam muito mais do que suas consequências, sinto-me tocada pelo sentimento de paz, sinto-me lavada quando ela cai, sinto-me grata, sinto-me abençoada.

Trabalhei por anos seguidos, um trabalho que após algum tempo se tornou muito cansativo, e nos dias de chuva sempre parava perto de alguma janela e a contemplava, alguns segundos eram suficientes para me animar a continuar trabalhando, quando pegava o ônibus, me sentia bem mesmo em pé, espremida entre tantos estranhos, só de vê-la escorrendo pela lateral da janela, os desenhos formados pela água espalhada pelo vento, era o suficiente para me absorver e me fazer aguentar mais uma hora em pé, é realmente estranho.

Mas, porque gosto tanto? Talvez seja porque em meu coração sempre chova ou talvez porque em dias de chuva eu olhe para dentro de mim com olhos de verdade, talvez porque me lembre de algo ou então, por ser de uma familia de trabalhadores do campo, a respeito pelos beneficios que traz para a terra e a natureza, talvez não seja nada disso, talvez, eu apenas goste, apenas aprecie, apenas veja beleza em cada gota, na poça, nas sombrinhas compartilhadas, nas folhas balançando agradecidas, no céu inteiro pintando do mesmo tom de cinza, que só percebo nos frios dias de chuva.


"Assim como desce chuva e a neve dos céus, e para lá não torna, mas rega a terra, e a faz produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei."

Isaias 55:10-11

Nenhum comentário: